Luisa

Preciso entender que eu te amo. A música insiste no fundo da minha cabeça e repete. Sento no computador, pra tentar escrever algo para o site da Luisa, uma espécie de apresentação. Não tenho a menor ideia do que vou dizer. Só sei que o trabalho dela é lindo. Delicado e forte como ela própria.

É um ato amoroso utilizar o trabalho do outro como matéria para o seu próprio. É isso que Luisa faz quando junta Pollock e Frank Gehry nas suas criações. Quando utiliza minhas imagens nas camisetas mostrando para mim outras possibilidades de apresentação do meu trabalho. Quando desloca Hélio Coelho para os corpos, para os pescoços e cabeças alheias. Garatujas para vestir.

Luisa eu vi crescer, em todos os sentidos. Olhos atentos, sobrancelhas fortes. Voz delicada e muita atitude. É sempre difícil, para mim, falar. Falar de mim e do outro também. É melhor ver por si.

Orlando da Rosa Farya

Nasci em Vitória em 1989 e me formei no curso de Gestão e Criação de Negócios da Moda pela Universidade de Vila Velha, no Estado do Espírito Santo. MBA em Gestão de Negócios pela Fundação Getúlio Vargas e atualmente curso mestrado em História e Crítica de Arte pela Universidade Federal do Espírito Santo. Cresci em um universo mágico, o universo da arte. Nunca pensei em fazer moda ou algo relacionado, aliás, almejava ser uma diplomata. A descoberta veio no início de 2007 quando percebi a moda como profissão. Em abril de 2008, no Mercatto Dona Lora, expus a 1ª coleção denominada Catarina de Aragão. No mesmo ano sob a curadoria de André Hidalgo e Ivan Aguilar, no Projeto Novos Criadores, desenvolvi a coleção intitulada Bauhaus: Casa da Construção, abordando as formas do Ballet Triádico, o tecer das fitas da 1ª oficina moderna de tecelagem e as imagens digitais produzidas pelo artista Orlando da Rosa Farya. No final de 2008 lancei a loja virtual que abriga o projeto Arte para Vestir. Na primeira edição, t-shirts são suportes para a obra digital do artista. Em 2009, trabalhei Grafismos, Moda e Arquitetura, conceitos que possuem uma relação entre seus princípios, baseiam-se no corpo humano e em ideias de espaço, volume e movimento. A action painting de Pollock e as linhas arquitetônicas de Frank Gehry foram o ponto de partida para o desenvolvimento desta coleção. No mesmo ano, participei da exposição Fetiche, no Salão de Design da semana de moda de Vitória (VMS). Em setembro de 2009, tive a grata satisfação de ser indicada ao prêmio Vitória Fashion 2009, na categoria estilista capixaba. Logo em seguida, fui escolhida como representante do SENAI Espírito Santo, na Olimpíada do Design. Em novembro de 2009, a partir do Concurso Caderno Cultural promovido pela Empresa de calçados Luiza Barcelos, integrei a equipe de estilo da mesma. No final de 2011 retomei o projeto Arte para vestir, a cada edição, novos artistas: garatujas de Hélio Coelho passeiam por camisas e lenços, em uma coleção toda P&B acompanhada de caneta de tecido para colorir e, especialmente para o 18° Vitória Cine Vídeo, lenços exagerados referenciam o trabalho de Elisa Queiroz.

Luisa Mendes

Outono de 2012